O trabalho de interpretação sísmica não prescinde da contribuição multidisciplinar. O intérprete se utiliza da contribuição de vários outros profissionais no exercício da sua atividade. 
Por conseguinte, o sucesso ou insucesso daquele trabalho será de todo o grupo, e precisa ser compartilhado com todos que contribuíram direta ou indiretamente para o trabalho, com a identificação da equipe de trabalho, contribuições mesmo que acessórias, os autores prévios de mapas que tenham sido modificados ou aperfeiçoados, enfim, apontando claramente toda a equipe envolvida com o trabalho desenvolvido.
Outro aspecto ético da profissão diz respeito à responsabilidade do intérprete na quantificação de reservas em áreas exploratórias: Após identificação pelo intérprete de uma oportunidade exploratória, é indispensável uma estimativa da economicidade da potencial acumulação.
 
 
Ela definirá a atratividade daquela área em comparação com outras oportunidades identificadas no bloco exploratório e condicionará a decisão de testar a área com a perfuração de um poço ou abandona-la. Ocorre que no ambiente exploratório o intérprete trabalha normalmente com reduzida quantidade de dados, o que torna muito imprecisa a estimativa de sucesso da 
Campanha exploratória. Mas essa mesma escassez de dados também pode tornar tal estimativa mais “maleável”.
                                                                    
Porem as empresas tem ferramentas estatísticas para ponderar o impacto dos diferentes fatores condicionantes de uma acumulação (como por exemplo: geração de HC, presença de rocha reservatório e selante, etc.) e tentar quantificar o prêmio associado. Uma ferramenta comum é a correlação das características geológicas com a de acumulações conhecidas em áreas próximas.
Ao intérprete não cabe ser conservador ou otimista, mesmo diante de “pressões” motivadas pela expectativa de que potencias ativos supervalorizados criem um clima favorável à captação de recursos no mercado ou favoreçam farm-outs futuros.
O profissional responsável deve zelar por sua reputação, negando-se a utilizar sua competência para superdimensionar oportunidades exploratórias. Embora ainda incipientes no país, certamente as certificadoras sérias e experientes (e o mercado começa a aprender a separar o joio do trigo) identificarão as propostas sem sustentação técnica e a repercussão para os ativos da empresa demasiadamente otimista também atingirão a futura credibilidade daquele profissional, isso sem falar na responsabilidade civil associada ao prejuízo imposto aos acionistas por propaganda enganosa… 
 
 
Outro importante aspecto da ética diz respeito à confidencialidade do trabalho. Mas que uma obrigação contratual (muitas empresas têm cláusulas contratuais com pesadas multas para infrações relativas à confidencialidade das informações manipuladas pelos intérpretes) o segredo sobre o potencial das áreas em investigação deve ser absoluto e determinam a visibilidade da seriedade com que atua determinado profissional.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *